Biombo Escuro

festival do rio

Capitu e o Capítulo

por Luiza Furtado

23/12/2021; Foto: Divulgação

Existe uma ritmação em determinados filmes que beiram a sublimação completa de seus objetos. Observa-se isso em um determinado momento do longa de Bressane: há a fricção de um microfone em um cadáver, que acaba por incorporar a dureza dessa carcaça e o som de sua lacuna. Desenrola-se então uma busca pelo real, e tateia-se tudo que estiver ao seu alcance: “Quem sabe onde está a verdade? Nos sonhos do poeta, nas visões do monge, nas canções obscenas do marinheiro, na cabeça do doido, na palidez do cadáver, ou no vinho ardente da orgia?” (AZEVEDO, Álvares, 1855).

 Se partirmos da premissa que qualquer cadeia de relações interpessoais seja, em um primeiro momento, composta a partir de hiatos, então encontramos a partir dela o mecanismo mor de Capitu e o Capítulo. Porém, trata-se aqui de um hiato em constante expansão, onde as relações entre os personagens se desenvolvem apenas para se tornarem ainda mais turbulentas e confusas. Pelo close-up nos olhos injetados de Capitu e seu paralelo com as ondas do mar, está a própria regressão, tanto formal quanto metafórica. No cotidiano da relação, não resta mais nada entre ela e Casmurro, e no entanto sempre se tensiona a ser.

  Assim como na cena da valsa em que dança o casal, todo aparato formal que regula a relação dos dois beira ao grotesco e ao falido. Mas é justamente nos momentos em que essa ornamentação é desfeita que irrompe, enfim, a efervescência, o desejo e o gozo no filme: as danças sob a instrumentalidade da música afro-sambista, as palavras em tupi, o retorno ao originário e ao inalcançável. Um desejo que só se manifesta também pelo contraste, e é necessário a presença do outro para que se tome consciência da própria lacuna. Dessa forma, é o segundo casal em cena (Claudio Mendes e Djin Sganzerla) que irá esbanjar vitalidade e assumir o exemplo, pois eles próprios roem suas relações até apagarem o preciso hiato que os separa.

    Luiza Furtado

    Redatora

    Estudante de Cinema da PUC-Rio. Redação e pesquisa em audiovisual. The sweet offering.